domingo, 28 de agosto de 2011

Quebrando as regras de composição - Parte 2

O aprendizado da fotografia é permeado por técnicas conceitos e regras. Essas regras no entanto, servem apenas como uma base teórica. A partir do momento que o fotógrafo toma consciência e domínio do impacto visual que elas proporcionam, ganha liberdade para ultrapassá-las, desenvolvendo suas próprias normas e estilo de composição.

A revista National Geographic publicou em seu website, uma série de fotografias que exemplificam como essas regras foram quebradas em imagens muito bem compostas a partir de novos conceitos. Em "Quebrando as regras de composição", reproduzi e traduzi os textos, que foram divididos em uma série de três artigos publicadas aqui aos domingos.

Na primeira parte, foram apresentados exemplos de como fujir da regra dos terços, utilizar a contra-luz e inclinar a câmera, podem criar resultados criativos. Veja nessa segunda parte, como criar efeitos de movimento, explorar as sombras duras e uma dica interessante de enquadramento.

Crie movimento com borrões

Joseph Valdivia / National Geographic
O que pode parecer o resultado não intencional de uma câmera trêmula, pode na verdade, ser muito convincente e dar o espirito certo para sua foto. Tente fotografar em velocidades lentas do obturador para deliberadamente desfocar o assunto. Para fornecer um ponto de referência, mantenha uma pequena porção da foto nítida. Em alguns casos, se o assunto é bastante gráfico, uma foto turva pode resultar em uma imagem bonita e abstrata.

Fotografando ao meio-dia

Amy Toensing / National Geographic
O início da manhã e o final da tarde são frequentemente citados como o momento ideal para fotografar, por causa dos tons suaves da luz e das sombras compridas, que o sol baixo no céu proporciona. Mas às vezes a luz dura do meio-dia pode oferecer boas oportunidades de brincar com as sombras duras e bem marcadas, criando efeitos interessantes em paralelo aos elementos principais da foto.

Movimento contrário

Johnny Nicoloro / National Geographic
Ao invés de deixar o assunto da foto se movendo para dentro do espaço no quadro, como a regra do espaço ativo sugere, tente fazer o oposto. Fotografar objetos em movimento saindo da imagem, ao invés de entrando no quadro, pode criar uma sensação de movimento e interesse sobre o que está sendo deixado para trás.

Fonte: National Geographic


Veja todos os artigos da série: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

1 comentários:

  1. Sensacional! Quebrar regras é a melhor coisa a se fazer para fugir da mesmice, criar uma identidade própria, ativar sua criatividade e, principalmente, não se tornar um robô diante de regras impostas por alguns entendidos do assunto.

    Parabéns, Cid!

    ResponderExcluir

 
Copyright © 2010-2019 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil