quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O taxista que fotografou seus passageiros por 20 anos


Esta dinâmica série oferece uma visão única em primeira mão do período de diversidade cultural que caracterizou a evolução da cidade de Nova York entre a década de 1980 e a virada do século. Um período em que a cidade experimentou uma enorme mudança econômica e social. Ao fotografar o espectro de personagens que compõem esse período crescente - de modelos a poetas, drag queens a celebridades, homens de negócios a prostitutas - Ryan Weideman transformou habilmente seu táxi em um estúdio altamente funcional. A natureza móvel de sua situação - o fato de que ele poderia mergulhar na ação, exigiu a destreza e a certeza do artista, permitindo que ele capture o espírito da época em um estilo fluido.

Produzindo fotografias que não são apenas excepcionais no seu conteúdo, mas também por seus méritos técnicos, Weideman frequentemente se incluiu em suas imagens, mantendo seu controle sobre sua câmera analógica, décadas antes da mania da selfie. No início de sua carreira, as composições se concentraram em seus passageiros animados, mas, em 1986, ele estava regularmente se justapondo com seus passageiros, e até com estranhos fora do táxi.


Trabalhando o turno da noite de 5 a 5 horas, o seu táxi xadrez tornou-se o veículo para documentar a rica vida noturna da cidade de Nova York por anos, abrangendo os anos 80, através do hip-hop e o grunge da década de 1990. Dentro dessas imagens, testemunhamos o tempo passando de anos para décadas - e enquanto os passageiros vêm e vão, Weideman continua a ser constante, sempre no banco do motorista.

Marcando a primeira ocasião em mais de uma década que este trabalho foi exibido publicamente, com o livro "In My Taxi", o projeto contém impressões em preto e branco vintage desenvolvidas pelo artista em sua sala escura improvisada no banheiro de seu apartamento.

"Trabalhando nas trágicas/mágicas ruas de Nova York, estou saturado pelo meu ambiente. Misturo dois papéis no meu trabalho, recebo uma dupla dose de realidade. As imagens dos meus passageiros me dão uma visão da cidade - a inteligência, o estilo, a dor e a alienação. E para mim, fotografar traz harmonia ao caos urbano. Essas experiências ajudam a esclarecer meu papel como fotógrafo - e aliviar a solidão que enfrento na frente do meu táxi."



















Fontes: Monovisions, The American Society of Cinematographers

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2017 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil