quarta-feira, 25 de abril de 2018

Fotógrafa revela o tráfico de escravas domésticas na Índia


Nas planícies exuberantes de Dooars, na Índia, no sopé do Himalaia, o verde é extremamente vibrante. Mas, além dos leitos dos rios, em uma área já conhecida por seus movimentados jardins de chá, as estradas de terra de Dooars podem ser perigosas. Com estradas precárias, a viagem à escola a pé é longa e perigosa, fazendo de meninas alvos fáceis para traficantes e outros criminosos. "Eles são como os pescadores à espera da isca", disse Smita Sharma, uma fotojornalista documentando sobreviventes e suas famílias.

A área se tornou um centro para o tráfico de escravas domésticas. Meninas de até 10 anos são colocadas em domicílios por meio de traficantes que se apresentam como agências de colocação. Sharma já havia trabalhado nos últimos três anos para documentar sobreviventes de violência sexual na Índia, mas ela continuou encontrando mulheres que haviam sido traficadas e vendidas em servidão doméstica, uma indústria que ela diz ganha pouca atenção em comparação.

"Essas garotas não estão na indústria do sexo porque são muito escuras e magras. É por isso que elas são vendidas como escravas domésticas. Se fossem mais carnudas ou voluptuosas, elas estariam em alta demanda no comércio sexual. Às vezes elas foram abusadas ​​em casa, e muitas delas são espancadas. Você precisa confortá-las e fazê-las confiar em você, mas elas compartilham suas histórias."


Os empregadores envolvem os serviços das agências de colocação, procurando ajuda doméstica, mas o que eles não sabem é que algumas dessas meninas chegaram através de um comércio de escravos moderno. Elas foram sequestradas, vendidas para agências de colocação e depois colocadas em casas para trabalho doméstico. Algumas pessoas tentam justificar o tráfico de funcionários como benéfico para as vítimas. "As pessoas têm essa atitude de que essas pessoas são pobres, se eu a levar e dar-lhe abrigo e comida, basta", disse Sharma. "Mas isso não é suficiente, isso é contra os direitos humanos."

Sharma, que divide seu tempo entre Deli e Calcutá, conheceu pelo menos 30 mulheres que são sobreviventes do tráfico da região. Ela se associou com a Shakti Vahini, uma organização anti-tráfico e policiais locais para conectá-la a sobreviventes e às famílias de meninas desaparecidas.

As pessoas da região fazem em média US $ 1,50 por dia, se empregadas. Muitas coletam pedras do leito do rio que são vendidas para construção. Enquanto as ofertas de trabalho doméstico podem parecer atraentes para uma adolescente empobrecida, a realidade é horrível. Uma menina foi sequestrada, levada em um comboio e estuprada fora da estação ferroviária. Ela de alguma maneira escapou, eventualmente fazendo seu caminho de volta para sua aldeia com uma escolta policial. A menina foi levada para a delegacia junto com o criminoso. Mas os parentes do agressor a antagonizaram e pressionaram-na a retirar as acusações. A menina nem sequer podia ver seus pais durante o processo.

Enquanto Sharma está ouvindo e contando as histórias de sobreviventes e suas famílias, ela também está curando uma ferida própria. Quando tinha apenas 18 anos, um professor a molestou depois da escola. Mas quando falou sobre isso, foi-lhe dito que ela "não sabia respeitar os idosos", conta ela. É esse um dos maiores motivos que a inspirou a se tornar fotojornalista. Depois de estudar em Nova York, ela voltou para a Índia para começar seu trabalho em fotografar sobreviventes de violência sexual. "Eu perdi totalmente a confiança," ela afirma, "E então eu pensei que preciso fazer algo com minha vida que seja significativo e que um dia quando eu falar, as pessoas vão ouvir."














Fonte: The New York Times

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2018 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil