quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Fotógrafo cria série de retratos de refugiados norte-coreanos

A vida de um desertor norte-coreano é brutalmente esculpida em duas partes: antes e depois. Aqueles que escapam trocam o isolamento quase total de seu país pela intoxicante liberdade. Mas no processo, sua história é apagada.

Foi essa transição desordenada que Tim Franco, um fotógrafo que divide seu tempo entre a Coréia do Sul e a China, decidiu explorar em sua nova série de retratos chamada "Unperson". Uma inspiração Orwelliana do romance "1984", seu trabalho examina a “vaporização” do passado dos desertores, que deixou muitos no limbo, livres, mas incompletos. "[A Coréia do Norte] é a casa deles, eles deixaram as pessoas para trás", disse Franco. "Mesmo que eles vivam em um país moderno, eles nunca serão completamente felizes na Coréia do Sul".

Um artista, um pianista de concerto e um guarda político que ainda é assombrado por sua própria brutalidade estão entre os que sentaram para Franco. Seus depoimentos variam em detalhes, mas a maioria compartilha um tom de arrependimento. Embora suas histórias sejam impossíveis de confirmar, Franco acredita que alguns relatos possam ser um pouco exagerados - talvez porque as histórias de deserção se tornaram uma forma de "moeda" na Coreia do Sul. Encaixar-se em uma nova sociedade pode ser doloroso, a desconfiança e a indiferença dificultam a encontrar trabalho. Como resultado, Franco disse, muitos desertores são forçados a capitalizar sua fuga escrevendo livros ou aparecendo em programas de TV.

Franco traduziu essa exploração da identidade no próprio processo fotográfico. Trabalhando com uma velha câmera de madeira 4x5, um filme instantâneo da Fuji e uma série de procedimentos químicos, o fotógrafo conta que o processo é longo e arriscado que, segundo ele, ecoa a jornada perigosa do imigrante norte-coreano. O resultado é "incerto, sujo e imperfeito", com arranhões na superfície, enquanto o processo de branqueamento cria uma borda verde misteriosa (que pode corroer a imagem se aplicada imprecisamente).

"Isso realmente se encaixa, eles sentem que vão chegar em um mundo perfeito... mas estão longe disso."

Ahn Myeong-Cheol

Uma noite em 1994, o mundo de Ahn Myeong-Cheol foi virado de cabeça para baixo. Armado com uma AK-47 e algumas pistolas, vestindo seu uniforme de guarda de prisão, ele escapou em um jipe ​​para o rio Tumen, que marca a fronteira com a China. Ele nadou através do rio, livrando-se das armas que o estavam derrubando e, meia hora depois, ele finalmente chegou ao lado chinês do rio. 8 anos antes, ele havia conseguido seu primeiro emprego como guarda em um campo de prisioneiros políticos. No primeiro dia, foi-lhe dito que deixasse sua humanidade para trás, que todos os condenados eram traidores ou espiões para o inimigo e que até se comunicar com eles era considerado uma ofensa grave. Espancamentos e assassinatos eram rotineiros, e logo ele começou a ter que praticar suas habilidades de taekwondo em alguns dos condenados. Após 8 anos de serviço, ele descobriu que seu pai havia cometido suicídio em vez de enfrentar as consequências de falar negativamente sobre o regime. Toda a sua família foi levada para um campo de detenção e ele finalmente entendeu por que tantas famílias estavam entre os condenados. Ele decidiu então que seria sua última noite na Coréia do Norte.

Lee So-yeon

O ano de 1997 pode ter sido o pior da fome norte-coreana. Lee So-yeon havia se juntado ao exército voluntariamente, esperando por um futuro melhor, refeições regulares e uma chance de se juntar ao Partido dos Trabalhadores. Mas ela enfrentou uma realidade muito diferente. A fome havia atingido profundamente as forças armadas e os recrutas eram alimentados apenas com rações misturadas com grama, enquanto o assédio sexual e os abusos eram uma ameaça diária. Após 10 anos no exército, ela ouviu falar sobre desertores para a Coréia do Sul e decidiu sair. Em sua primeira tentativa de cruzar o rio Tumen, ela estava de calcinha, segurando seu único conjunto de roupas secas acima de sua cabeça com as pernas sangrando pelas pedras irregulares, e foi recebida no lado chinês por traficantes de seres humanos. Ela se recusou a ir com eles e foi jogada de volta ao rio para ser capturada novamente no lado norte-coreano. Depois de um ano na prisão, ela conseguiu reunir dicas suficientes dos companheiros para finalmente fazer uma segunda tentativa bem-sucedida. Agora, vivendo no sul, ela ainda se esforça para se identificar com seus vizinhos sul-coreanos. O preconceito na sociedade, seu forte sotaque e o medo de espiões norte-coreanos ainda a fazem sentir que ela não encontrou completamente seu lugar.

Choi Seong-Guk

Ele queria fazer parte da elite norte-coreana para namorar a garota dos seus sonhos, mas Choi Seong-Guk não era nem rico nem bem relacionado. Quando as novelas sul-coreanas se tornaram populares no mercado negro norte-coreano, ele viu uma oportunidade. Ele montou um pequeno estúdio de retratos, no qual os clientes podiam substituir seus rostos pelos dos atores. Esta ideia provou ser bem sucedida e muito lucrativa. Ele logo conseguiu ganhar dinheiro suficiente para abrir uma das primeiras salas de informática de Pyongyang. Em 2006, ele foi preso após contrabandear filmes. A ofensiva era séria, mas alguns de seus clientes eram funcionários influentes do governo e ele foi liberado. No entanto, Seong-Guk mandado embora da capital e, de repente, todo o seu trabalho não serviu de nada. Este foi o momento em que ele decidiu desertar para o sul. Embora tenha deixado a Coreia do Norte e as regras do regime, a cultura do namoro na Coreia do Sul não se mostrou tão diferente, afinal.

Park Soo-yeon

Park Soo-yeon fazia parte da nova elite. Entre grandes salas de banquetes, fontes termais privadas e resorts de luxo, seu estilo de vida diferia muito do que associam à Coréia do Norte. Quando as primeiras rotas de comércio foram abertas no país, ela logo colocou as mãos em um videocassete do filme sul-coreano “The Green Fish” e ficou imediatamente impressionada com a sensualidade e o nível de intimidade que poderiam ser mostrados fora de seu país. Ela também ficou fascinada com a diversidade de maquiagem usada por mulheres sul-coreanas, especialmente o batom escuro usado pelas atrizes. Ela percebeu, no entanto, que ao misturar aquela cor com sombra, ela poderia obter o mesmo tom do filme, e a nova tendência se espalhou rapidamente entre a elite da Coreia do Norte. Quanto mais filmes e dramas ela descobria, mais sua curiosidade aumentava e mais ela ansiava pelo amor que só podia vislumbrar através da tela da televisão. Quando ela desertou para o sul, descobriu pela primeira vez sobre as dificuldades enfrentadas pela maioria dos desertores norte-coreanos, e sentiu-se tão envergonhada que escondeu sua história por muitos anos. Soo-yeon agora é dona de uma empresa de conhecer novas pessoas, ajudando os desertores norte-coreanos a encontrar o amor no sul.

Han Song-i

Desde muito jovem, Han Song-i sonhava em se tornar uma estrela. Crescendo na parte nordeste da Coreia do Norte, ela pôde observar a China do outro lado do rio Amnok. Nessas regiões, os norte-coreanos têm maior acesso a produtos importados e canais de TV chineses. Foi assim que ela descobriu o fenômeno K-pop. Aos 17 anos, ela decidiu fugir e realizar seu sonho. A riqueza de sua família facilitou para ela se preparar para a viagem, e depois de 10 dias em ônibus, na China, no Laos e na Tailândia, ela finalmente chegou a Seul. Ela encontrou seu lugar, rapidamente, em um programa de TV local, no qual entrevistas sérias são misturadas com entretenimento para contar as histórias e dificuldades da vida na Coreia do Norte. Hoje em dia, as pessoas a reconhecem na rua e os donos de restaurantes lhe dão refeições gratuitas.

Kim Cheol-woong

Nascido na capital norte-coreana, Kim Cheol-woong desfrutou de uma vida privilegiada. Seus pais tinham cargos no governo e seu talento para a música era reconhecido desde cedo. Em 1995, ele foi enviado para o Conservatório Tchaikovsky do Estado de Moscou para estudar. Quando ele voltou para a Coréia do Norte, ele se tornou o mais jovem músico a se juntar à Orquestra Sinfônica Nacional. Em 2001, Kim Cheol-woong planejou usar a música para propor a sua namorada, e estava praticando uma peça de um de seus compositores favoritos, Richard Clayderman. Mas tocar música estrangeira na Coréia do Norte é proibido, já que apenas música oficial de propaganda é permitida, e não demorou muito para alguém denunciá-lo. Ele foi preso pelo Departamento de Segurança do Estado e foi forçado a escrever uma carta de autocrítica. A provação mudou sua perspectiva, e algumas semanas depois ele cruzou o Rio Tumen na China em busca de liberdade. Como ele estava sendo processado através da segurança nacional após sua chegada na Coreia do Sul, ele começou a perceber que teve a sorte de ter vivido como viveu no norte e que após este evento ele nunca seria capaz de voltar. Ele leva uma vida menos privilegiada no sul, e parte dele sente falta da sua antiga vida norte-coreana.

Fonte: The New York Times

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2018 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil