terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Fotolivro documenta patrimônio imaterial do sertão

fevereiro 12, 2019 | por Resumo Fotográfico

Em “Vaqueiros do Raso da Catarina”, o fotógrafo Rui Rezende celebra um importante patrimônio imaterial de resistência da nossa cultura



Cavaleiros em vestes de couro rasgam a paisagem entre imburanas, angicos, xiquexiques e facheiros. Em meio a névoa de poeira que levanta no ar, vão campeando em busca do gado desgarrado, uma peleja se inicia na visage da caatinga. A cena, forte e bela para quem presencia é um filme pronto de uma cultura que resiste. Raso da Catarina. Há quem diga que o raso é um encantamento, uma voz feminina que ecoa pelos vales saindo dos bicos das araras-azuis-de-lear.

O primeiro encontro se deu ao acaso, Rui fotografava a trabalho, foi entrando na mata e se deparou com um grande acampamento e para quebrar a desconfiança inicial dos homens o fotógrafo mostrou a página de um livro seu com a foto de vaqueiros da Gruta dos Brejões na Chapada Diamantina. O visível interesse dos vaqueiros do Raso pela foto fez, desse encontro fortuito, surgir “Vaqueiros do Raso da Catarina”, o 6º livro da carreira do fotografo.

O texto assinado por Cícero Félix, jornalista e professor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), traz, como ele diz “fileiras de causos” relatados propositalmente em linguagem coloquial com o cuidado de resguardar as características de uma cultura viva que se estrutura em uma relação visceral entre o Raso da Catarina e o sertanejo ali nascido, como disse Seu Euclides, filhos da coragem de Lampião e da fé de Conselheiro...

“Vaqueiros do Raso da Catarina” transmite a intensidade e a força solar de uma rara e resistente cultura. Com 156 páginas, bilíngue, o livro se completa com um precioso dicionário que identifica a rica indumentária e objetos que paramentam o vaqueiro e seu cavalo.

Rui Rezende

A biografia de Rui Rezende também é uma história de resistência, o fotógrafo é sobrevivente de um acidente aéreo ocorrido em 2014 na região de Barreiras, oeste da Bahia. As vivências na natureza, ajudando a mãe na lida com o cacau, correndo livre atrás de cavalos, levando o gado para a fazenda do avô, Tonico do Limão em sua cidade natal, Amargosa, inspiraram a profissão: “talvez por conta deste meu passado hoje sou um fotógrafo de natureza. Faço tudo por amor às coisas e esse livro é o primeiro depois de passar quatro anos sem publicar por causa do acidente”, revela.

FICHA TÉCNICA

Vaqueiros do Raso da Catarina
de Rui Rezende

Editora P55

156 páginas
2018