sábado, 7 de dezembro de 2013

Uma homenagem a Nelson Mandela por David Turnley

Fotógrafo vencedor do Prêmio Pulitzer David Turnley passou 28 anos fotografando as lutas do apartheid na África do Sul. Tendo documentado a vida de Nelson Mandela e seu povo, Turnley reflete sobre suas memórias de Mandela no dia da sua libertação da prisão.

O jovem nesta fotografia, segurando o retrato de 'Madiba' na faculdade, é um parente distante que vive na aldeia
de Mqhekezweni, no Transkei, onde este retrato original ainda se senta sobre a lareira da casa da família.

Eu fui dormir cedo em 10 de fevereiro de 1990, quando o dia seguinte se tornaria um dos dias históricos mais importantes da minha carreira. Recebi um telefonema de um querido amigo e colega fotojornalista. Ele me disse que lamentava informar, mas a associação de fotógrafos sul-africanos decidira fazer libertação de Nelson Mandela da prisão um evento restrito e que apenas cinco fotógrafos seriam permitidos em frente à prisão. Eu respondi, respeitosamente, que podia garantir que na manhã seguinte estaria em frente a prisão - este era um momento de importância para o mundo inteiro ver.

Eu cheguei em frente a prisão Victor Verster com meu irmão gêmeo fotojornalista Peter Turnley às 5h30 da manhã seguinte. Um punhado dos nossos colegas também chegaram. Fomos aos dois guardas prisionais afrikaaner às portas da prisão, nos apresentamos e pedimos ajuda. Nós explicamos que aquele era um dia importante para a África do Sul, e para o mundo testemunhar. Propomos que nos permitisse criar uma área de isolamento na frente da prisão, onde fotojornalistas de todo o mundo estariam, e certificariamos de que o decoro deste evento fosse respeitado. Estes guardas prisionais decidiram que também queriam ser magnânimos neste dia histórico e nos deram o mandato para definir a nossa área. Centenas de fotógrafos e repórteres começaram a chegar, e enquanto explicávamos nosso plano, todo mundo arrumava o seu espaço, onde ficávamos ombro a ombro na expectativa para o que seria, inevitavelmente, apenas alguns segundos em que pudemos ver Nelson Mandela, antes da multidão cobrir o próximo líder da África do Sul.

Após aproximadamente 11 horas mantendo a posição, às 4:20 horas da tarde, com helicópteros de TV zumbindo no alto, vimos uma comitiva fazendo o seu caminho em direção à porta da prisão. A adrenalina subiu - de repente a porta da prisão se abriu, e marchando em direção a nós, Nelson Mandela, punho no ar, segurando a mão de Winnie, com urros soando em todo o mundo. Eu tive tempo para fazer três quadros em foco - os três quadros mais felizes da minha vida - antes da comitiva de Mandela ir em direção ao centro da Cidade do Cabo.

Eu diriji freneticamente para me manter com a comitiva, uma vez que o caminho para Cidade do Cabo fica a uma hora de distância. Quando a comitiva chegou, a multidão de mais de cem mil sul-africanos animadamente sacodiam o carro de Madiba. A comitiva escapou da multidão e foi embora. Pela primeira vez, eu senti que poderia ser esmagado por uma multidão. Subi sobre os ombros deste mar da humanidade e segui o meu caminho para a varanda da Câmara Municipal. Eu sentia urgência por estar fora da posição de Madiba caso ele aparecesse. Corri pelo corredor da Prefeitura à procura de uma janela para espreitar.

Centenas de milhares de pessoas invadiram carreata de Mandela que o levou à Cidade do Cabo após 27 anos de prisão.

Na minha frente, vi o arcebispo Desmond Tutu, o reverendo Allan Boesak, Walter Sisulu, companheiro de prisão de Madiba de 27 anos, Jesse Jackson e um punhado de outros. Eu havia desembarcado por acaso no comitê de recepção. Todos eles me conheciam e sorrindo, me disseram para entrar e esperar pacientemente.

Ninguém sabe por onde Madiba fugiu, e enquanto a multidão do lado de fora gritava com antecipação e euforia, um telefone tocou. Tutu pegou o telefone. Era Madiba explicando que eles o levaram para fora da cidade, abalado pela multidão agitada depois de se sentar sozinho em uma cela de prisão por 27 anos. O arcebispo disse: "Baba [na África do Sul xhosa, papa], você tem que vir e pelo menos mostrar o seu rosto ou eles vão despedaçar a cidade esta noite. E então, depois de um silêncio, o Arch desligou o telefone e sorriu. "Ele está vindo." Minutos depois, sem o conhecimento de qualquer um de nós, incluindo a multidão, ele foi levado para a parte traseira da Prefeitura. A porta se abriu e entrou Nelson Mandela. Ele cumprimentou cada pessoa na sala, com o charme e a confiança de alguém que nunca foi embora.

Madiba é alto e em forma inacreditável. Sua presença é poderosa. Ele dá a todos um abraço de urso. Sorrisos se estendem pelos nossos rostos. E o arcebispo Tutu bate em um copo com uma colher. Diretamente na frente de Madiba, a multidão do lado de fora está frenética de excitação, sem saber que Madiba está conosco. Arcebispo Tutu olha nos olhos de Nelson, e com lágrimas escorrendo pelo rosto, diz: "Eu tenho que lhe dizer o que você significou para a minha vida ...." E assim seguiu-se cada pessoa na sala. Madiba recebia orgulhosamente cada palavra sincera. Era como se você pudesse ver palpavelmente a dignidade de Nelson Mandela, de cada segundo de 27 anos, com orgulhosa e claramente contida para estar pronta para este momento. E então, ele olha para todos nós.

"Vocês terão que me perdoar. Eu tenho que cuidar de algo." Ele passa a caminhar até a janela, saindo para a varanda para de direcionar a povo sul-africano, e do mundo, pela primeira vez em quase três décadas. Enquanto o sol se põe, a família e os amigos de Mandela se poe à janela, os punhos de todos levantados no ar, as lágrimas escorrendo pelo rosto, enquanto a multidão saúda o seu líder com o hino nacional africano Nikosi Sikelela. Ele termina o seu discurso com as mesmas palavras que falou no final do julgamento de traição que o enviou à prisão perpétua em 1964.

"Durante toda a minha vida tenho me dedicado a esta luta do povo africano. Lutei contra a dominação branca, e eu lutei contra a dominação negra. Eu estimo o ideal de uma sociedade democrática e livre na qual todas as pessoas convivam em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espero viver e alcançar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer."


David Turnley é o vencedor do Prêmio Pulitzer de Fotografia, a medalha de ouro Robert Capa por coragem e dois World Press Pictures of the Year. Turnley é altamente reconhecido por sua cobertura da África do Sul ao longo dos últimos 28 anos. Ele também é um documentarista bem sucedida, tendo acabado de concluir seu filme mais recente, SHENANDOAH (disponível em breve no Netflix) e é Professor Associado da Universidade de Michigan.

Texto traduzido do site LightBox.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2016 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil