quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do livro “Rurais”, de Antonio Mozeto

outubro 20, 2021 | por Resumo Fotográfico



No próximo sábado (23), acontece o lançamento do livro “Rurais”, do fotógrafo Antonio Mozeto, na Casa Odisseia, em São Paulo/SP. Mas antes, nesta quinta-feira (21), às 19h, o autor participa de uma live no canal do Festival Hercule Florence no YouTube.

Publicado pela Editora Origem, e com curadoria de Juan Esteves, “Rurais” apresenta 98 fotografias em preto e branco de diversos trabalhadores rurais de quatro estados brasileiros (São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais) em seus ambientes de trabalho.

Várias das fotografias são acompanhadas por ensaios-poemas-crônicas originais escritos por Antonio Mozeto como uma narrativa sobre a vida rural no Brasil que refletem a experiência das sessões fotográficas com trabalhadores rurais retratados no livro, bem como as memórias de infância e adolescência do autor, vividas em zona rural no município de Borborema/SP.

O livro pode ser adquirido através da livraria virtual da editora.

SERVIÇO
Lançamento do livro “Rurais”, de Antonio Mozeto
Data: 23 de outubro de 2021, de 11h às 18h
Local: Casa Odisseia - Alameda Min. Rocha Azevedo, 463, São Paulo/SP

terça-feira, 19 de outubro de 2021

“Elegia Visual” de Zé Barretta

outubro 19, 2021 | por Resumo Fotográfico

Em “Elegia Visual”, Zé Barretta apresenta uma reedição de registros documentais para, através dos elementos da linguagem fotográfica, propor uma nova interpretação a respeito das relações sociais, do homem com o espaço urbano e com a natureza.
Este trabalho não é exatamente um ensaio, é antes de mais nada um lamento.

Editado a partir de trabalhos documentais que perpassam a cidade, o encontro fortuito com o outro, a tensão da relação do homem com a natureza e o abismo social naturalizado, não pretende constituir um tema propriamente dito, nem um local específico. Sua geografia é outra, e está inscrita na imagem apenas e no diálogo possível entre elas. É uma heterotopia sem qualquer moral ou esperança. Seu eixo principal, se é que assim podemos definir, é um trabalho documental sobre ocupações em prédios de São Paulo e se desenvolve na aproximação ou oposição com as imagens extraídas de outros contextos onde a gestualidade, as sombras, a textura e marcas inscritas nas paredes e na pele apoiam e significam o trabalho dando unidade formal e guiando o leitor para possibilidades de interpretação num momento histórico agudo de crise e desilusão.











Sobre o fotógrafo

Paulistano, fotógrafo independente há mais de dez anos, Zé Barretta desenvolve projetos pessoais em temas ligados à imagem, ao fluxo do tempo e questões contemporâneas sociais, urbanas e ambientais. Seu trabalho autoral divide espaço com serviços de fotojornalismo, colaborador do jornal Folha de São Paulo, corporativos e de assessorias de imprensa.

Para conhecer mais sobre o trabalho de Zé Barretta, acesse: www.zebarretta.com

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Fotografando as noivas nigerianas

outubro 18, 2021 | por Resumo Fotográfico

O aclamado artista Lakin Ogunbanwo explora os rituais em torno das noivas e cerimônias de casamento em diferentes tribos da Nigéria


Na série “e wá wo mi” - que significa “venha olhar para mim” - Lakin Ogunbanwo aprofunda sua investigação sobre o arquivo visual africano contemporâneo ao representar o traje cerimonial tradicional das tribos nigerianas. Em vez de arquivar objetivamente essas tradições do passado, no entanto, ele imita a pompa dos casamentos na Nigéria atual, criando conjuntos elaborados de tecido drapeado como pano de fundo para as noivas se apresentarem.
“Qualquer nigeriano que vir isso reconhecerá que esse é o clima dos casamentos nigerianos - as decorações, drapeados, tecidos”, disse Ogunbanwo ao site Artsy.
Os casamentos na Nigéria se tornaram uma indústria próspera, com listas massivas de convidados e festas de casamento coordenadas por cores. Um casamento é “muito barulhento, muito grandioso e é uma grande celebração”, onde famílias e comunidades se reúnem, disse Ogunbanwo. Frequentemente, há duas cerimônias, uma com trajes e cerimônias mais tradicionais e outra mais semelhante às núpcias ocidentais.

Na série, diversas tribos são representadas - incluindo as comunidades Igbo, Yoruba, Benin e Hausa-Fulani - e juntas elas pintam um rico retrato da herança nigeriana. “[Eu quero] tirar a ideia da África como um monólito”, disse Ogunbanwo. “Acho que quando o mundo quer falar sobre a África, é sempre a África como uma só.” Fotógrafos e artistas há muito tratam o continente como um país, disse ele, mas cada país oferece uma cultura distintamente própria.



Também há nuances nos costumes e trajes do casamento. As mulheres igbo devem identificar seus noivos entre a multidão, enquanto os homens do Benin devem reconhecer suas noivas em um desfile de mulheres com véus. As noivas igbo usam joias de marfim, enquanto as mulheres iorubás preferem grandes gravatas de gele. A cor também pode ter significado: as mulheres de Benin usam vestidos cor de sangue de boi para significar que são castas ou não estão grávidas.

Apesar dessas diferenças na cerimônia, Ogunbanwo observou, “as expectativas das mulheres geralmente são as mesmas”. Por trás da beleza de sua série está algo mais pesado. Em uma cultura, “onde o fardo de manter o casamento recai sobre [a noiva]”, disse Ogunbanwo, o dia do casamento serve como um dia de transformação para a noiva. Alguns dos rituais do dia do casamento - como as mulheres iorubás servindo comida e bebida aos seus novos maridos - são indicativos do papel mais amplo que assumirão como esposa e, mais tarde, como mãe.

Ogunbanwo aponta que toda a pompa cerimonial reforça uma expectativa de feminilidade, que substitui a individualidade das noivas. E embora as mulheres nos retratos de Ogunbanwo sejam femininas, elas também são dominadas, idiossincráticas e majestosas. O fotógrafo olhou para pinturas da era renascentista de mulheres reais em busca de inspiração no humor, gestos e iluminação. “Mas era apenas uma referência visual”, esclareceu. “Não é uma declaração política daquela época ou o que a escuridão significava naquela época.” Em vez disso, ele queria “cooptar essa linguagem visual” e empregá-la na celebração dessas noivas.

“e wá wo mi” é, em última análise, um retrato da cultura nigeriana contemporânea e do que a torna única. “Eu descobri que quando as pessoas querem se envolver com a África ou Nigéria, elas sempre querem que se encaixe nesse tipo específico de visual”, disse ele. “Tem que ser documentário ou tem que ser cru; tem que ser não refinado de alguma forma - estou tentando ficar longe disso.”








Para conhecer mais sobre o trabalho de Ogunbanwo, acesse seu site ou Instagram.

Fontes: Artsy e Creative Boom

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Wildlife Photographer of the Year 2021

outubro 15, 2021 | por Resumo Fotográfico

Na última terça-feira (12), o Museu de História Natural de Londres anunciou os vencedores do concurso internacional Wildlife Photographer of the Year 2021. Criado em 1965, o evento premia anualmente as melhores fotografias de vida selvagem de todo o mundo. Este ano, o concurso recebeu mais de 50 mil inscrições de 95 países.

O fotógrafo subaquático francês Laurent Ballesta foi eleito o grande vencedor por sua fotografia de garoupas camufladas durante o acasalamento em uma reserva da biosfera em Fakarava, na Polinésia Francesa. Ballesta voltou à lagoa Fakarava cinco anos consecutivos para capturar a desova anual que ocorre por volta da lua cheia de julho.

Veja abaixo algumas das fotografias premiadas:


A fotografia do francês Laurent Ballesta, grande vencedor do concurso, mostra um grupo de garoupas camufladas saindo de uma nuvem de óvulos e esperma em Fakarava, atol da Polinésia Francesa


O jovem fotógrafo de vida selvagem do ano, Vidyun R. Hebbar, capturou uma teia de aranha tecedeira-colonial quando um auto-riquixá passou pela Índia


Na categoria "Plantas e Fungos", o australiano Justin Gilligan criou o reflexo de um guarda-florestal marinho entre as algas do recife tropical mais ao Sul do mundo


O fotógrafo português João Rodrigues venceu a categoria "Comportamento: Anfíbios e Répteis" pela sua fotografia subaquática do cortejo de salamandras-de-costelas-salientes numa floresta inundada


O fotógrafo australiano Adam Oswell chamou a atenção para a exploração de elefantes na categoria "Fotojornalismo"


O fotógrafo israelo-canadense Gil Wizen venceu na categoria "Comportamento: Invertebrados" com a foto de uma aranha pescadora esticando a seda de suas fiandeiras para tecer em seu saco de ovos


O canadense-eslovaco Martin Gregus ganhou o prêmio "Prêmio de Portfólio de Estrela em Ascenção" por uma foto de ursos polares fêmeas brincando na água


Angel Fitor, da Espanha, ganhou o "Prêmio de Portfólio" por esta cena de uma batalha entre dois peixes ciclídeos por uma concha de caracol


Na categoria "Pântanos: O Plano Maior", o fotógrafo espanhol Javier Lafuente venceu por esta foto de uma estrada cortando a paisagem dos pântanos


O fotógrafo israelo-canadense Gil Wizen venceu a categoria "Vida Selvagem Urbana" depois de encontrar uma aranha armadeira debaixo de sua cama


A foto do canadense Shane Kalyn de uma exibição de cortejo de corvos rendeu-lhe a categoria "Comportamento: Pássaros"


O fotógrafo italiano Stefano Unterthiner venceu na categoria "Comportamento: Mamíferos" com a foto de duas renas lutando

Veja mais fotos no site do concurso.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Fotofalando #22 - Sandra Gonçalves

outubro 14, 2021 | por Resumo Fotográfico



Neste sábado (16), às 14h, vai ao ar mais uma edição do Fotofalando, programa de entrevistas e debates do Resumo Fotográfico, transmitido através do YouTube. Adriana Vianna conversou com a fotógrafa Sandra Gonçalves, autora do livro “Cápsula”, publicado pela Editora Origem, que documenta as carvoarias existentes no centro urbano da cidade do Rio de Janeiro.

Sobre a fotógrafa

Sandra Gonçalves, carioca radicada na cidade de Porto Alegre/RS, é artista visual, professora e pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Desde os anos 2000, produz e exibe trabalhos relacionados à fotografia, criando imagens que vão além da referência fotográfica, ampliando seu significado original.

Para conhecer mais sobre o seu trabalho, acesse: www.sandragoncalves.com