sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Exposição “Fora do Temp(l)o”, em São Paulo

fevereiro 14, 2020 | por Resumo Fotográfico

“Metais Voadores”, de Ana Carvalho, 2014

Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, dando sequência aos eventos comemorativos de seu Jubileu de Ouro a ser completado em Junho de 2020, exibe a coletiva de fotografias “Fora do Temp(l)o” com curadoria de Bianca Boeckel. Ambientada na Sala MAS/Metrô Tiradentes, a parceria entre a curadora e o museu aproxima o público de mais uma nova forma de arte que une criação com tecnologia.

Nos nichos expositivos do espaço são expostas 13 fotografias de duas séries de registros imagéticos contrastantes: uma imagem da série “Liquenscape”, do fotógrafo carioca Nelson Porto, e um recorte da série “Chama o Bloco”, com imagens selecionadas em conjunto com Francisco Almendra, dos artistas Ana Carvalho, José Guilherme Leite, Lucas Bori, Micael Hocherman, Pedro Esteban e Rapha Silva.

Enquanto “Liquenscape” destaca o registro ampliado da imensidão do Pico das Agulhas Negras e a contemplação do sagrado no eterno e no vazio fora do tempo, o coletivo que retrata o Carnaval em “Chama o Bloco” se aproxima do pro-fano — aquilo que está fora do templo — através de um mergulho no êxtase presente na maior festa dos homens.

A polaridade entre os dois temas se dá em diversos eixos: natureza vs. homem, vazio vs. cheio, fora do tempo vs. fora do templo. A dinâmica resultante leva a um diálogo entre formas e significados fortes - mesmo pertencentes a universos distintos.

Ao inserir tecnologia de ponta na criação de arte, é reservado ao visitante o papel de participar da obra. As experiências de realidade virtual que fazem parte de “Fora do Temp(l)o” abrem um novo espaço expositivo em três dimensões que cria memórias como a de quem viveu a cena na vida real.

SERVIÇO

Exposição “Fora do Temp(l)o”
Abertura: 15 de fevereiro, às 11h.
Período: 16 de fevereiro a 22 de março de 2020
Horários: de terça a domingo, de 9h às 17h
Local: Sala MAS/Metrô Tiradentes | www.museuartesacra.org.br
Informações: (11) 3326-5393

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Imagem de camundongos 'brigando' ganha prêmio de fotografia

fevereiro 12, 2020 | por Resumo Fotográfico


O fotógrafo Sam Rowley foi o vencedor do prêmio Wildlife Photographer of the Year: Lumix people's choice award (eleito pelo público) com a imagem impressionante de camundongos 'brigando' por um pedaço de comida deixado para trás por um passageiro do metrô de Londres.

Os fãs do renomado concurso anual de fotografia foram convidados a selecionar algumas imagens que não foram escolhidas pelo painel de juízes para a premiação principal, em outubro do ano passado — mas que, ainda assim, são imagens fantásticas.

Cerca de 28 mil pessoas votaram na fotografia “Station Squabble” (“Briga na Estação”, em tradução livre), de autoria de Sam, como favorita. Ele passou várias noites em uma estação de metrô no centro de Londres, deitado de bruços, na tentativa de obter o ângulo perfeito.

Os dois camundongos procuravam alimento separadamente até que se depararam com o mesmo pedaço de comida. Por uma fração de segundo, eles “discutiram” sobre quem deveria ficar com a migalha e, na sequência, cada um seguiu o seu caminho.

“Eu geralmente tiro uma sequência de fotos e tive sorte com essa imagem, mas depois de cinco dias deitado em uma plataforma, era provável que isso acontecesse em algum momento”, declarou Sam, que trabalha no departamento de produção de filmes de história natural da BBC.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Roger Deakins ganha o Oscar de Melhor Fotografia por “1917”

fevereiro 10, 2020 | por Resumo Fotográfico



O diretor de fotografia inglês Roger Deakins ganhou seu segundo Oscar na carreira, pelo trabalho no filme “1917”, em cerimônia realizada nesse domingo (9), em Hollywood. No mês passado ele já havia vencido o ASC Awards, prêmio concedido pelo Sindicato dos Diretores de Fotografia.

Com 36 anos de carreira, essa foi a 15ª indicação de Deakins ao Oscar de Melhor Fotografia. Sua primeira indicação foi em 1995, com “Um Sonho de Liberdade”. Em 2018 ele ganhou seu primeiro Oscar com o filme “Blade Runner 2049”.

sábado, 8 de fevereiro de 2020

Conheça os indicados ao Oscar 2020 de Melhor Fotografia

fevereiro 08, 2020 | por Cid Costa Neto


Neste domingo (9), acontece a 92ª cerimônia de entrega dos Academy Awards, no Teatro Dolby, em Los Angeles, Califórnia. Conheça um pouco sobre os indicados ao Oscar de Melhor Fotografia:

Roger Deakins

Indicado por seu trabalho no filme de guerra “1917”, Deakins é o favorito para levar a estatueta do Oscar de Melhor Fotografia deste ano. No mês passado, ele foi vencedor do ASC Awards, prêmio concedido pelo Sindicato dos Diretores de Fotografia. Essa é a 15ª indicação do cineasta ao Oscar, ele venceu em 2018 com o filme “Blade Runner 2049”.

Cena do filme “1917”

Rodrigo Prieto

Concorrendo com o filme “O Irlandês”, o diretor de fotografia mexicano Rodrigo Prieto chega a mais uma indicação ao Oscar, a terceira de sua carreira e a segunda trabalhando com o diretor Martin Scorsese. Ele foi indicado em 2017, por “Silêncio”, com o mesmo diretor, e também em 2006, por “Brokeback Mountain”, de Ang Lee.

Cena do filme “O Irlandês”

Robert Richardson

Indicado por “Era Uma Vez Em... Hollywood”, Richardson já foi premiado com o Oscar três vezes: em 1992, por “JFK - A Pergunta que não quer Calar”; em 2005, por “O Aviador”; e em 2012, por “A Invenção de Hugo Cabret”. Richardson também foi indicado em outras quatro oportunidades: em 1987 por “Platoon”; em 1990, por “Nascido em Quatro de Julho”; em 2000, por “Neve Sobre os Cedros”; e em 2013 por “Django Livre”.

Cena do filme “Era Uma Vez Em... Hollywood”

Jarin Blaschke

Indicado por seu trabalho no filme em preto e branco “O Farol”, Blaschke é o mais novo entre os demais concorrentes, com 41 anos. Seu trabalho mais notório foi “A Bruxa” (2015).

Cena do filme “O Farol”

Lawrence Sher

Indicado por “Coringa”, o trabalho de Lawrence Sher chama a atenção pelas cores e o visual sombrio. Essa é a primeira indicação de Lawrence, que é mais conhecido por trabalhar com filmes de comédia como “Os Gatões - Uma Nova Balada”, “O Ditador” e a franquia “Se Beber, Não Case!”.

Cena do filme “Coringa”

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Exposição “Chama o Bloco”, em São Paulo

fevereiro 06, 2020 | por Resumo Fotográfico

“Raquel Poti Brilha Mais Alto”, de José Guilherme Leite, 2019

A partir deste sábado (8), a Bianca Boeckel Galeria exibe “Chama o Bloco”, exposição coletiva dos fotógrafos Ana Carvalho, José Guilherme Leite, Lucas Bori, Micael Hocherman, Pedro Esteban e Rapha Silva, com curadoria de Francisco Almendra e coordenação de Bianca Boeckel que, antecipando a adoção de novas tendências no Brasil, une arte, carnaval e realidade virtual. O grupo de seis fotógrafos da nova geração, concentrou-se em acompanhar o movimento das festividades de Momo distante do main stream, na capital carioca. “Este coletivo de artistas passou a desenvolver novas abordagens fotográficas para fazer jus ao que se desdobrava nos novos blocos da cidade”, explica o curador. A exposição fica em cartaz até 10 de março.

As imagens, alheias ao caos da alegria dominante no Carnaval onde o coletivo celebra, delicadamente buscam o retrato do um em meio ao todo, cuidadosamente, registrando sua alegria individual.

A experiencia se completa quando a Realidade Virtual entra em cena propiciando uma plena experiencia sensorial. Os óculos dispostos no espaço inserem o visitante no progresso do bloco - o Boto Marinho na Ilha de Paquetá – reconhecido por sua anarquia latente, com um desafio: é preciso realmente dançar para chamar o bloco, caso contrário o espectador permanece sozinho na ilha. O desejo de ver o desenrolar da festa requer exposição pessoal, da mesma forma como o fazem os componentes dos blocos. Este convite-desafio faz com que ousemos enfrentar nossos próprios medos: a exposição ao desconhecido, o medo de não saber dançar, o julgamento daqueles que nos observam de fora, o temor de se entregar sem garantias. São as mesmas questões enfrentadas – e vencidas – por todos que fazem parte do Carnaval.

A experiencia faz ver que o espírito do Carnaval nos preenche enquanto nos sentimos parte de um movimento coletivo, na mesma vibração. “Imbuídos deste aprendizado, tiramos os óculos com uma nova perspectiva em nossos olhares”, diz Francisco Almendra.

SERVIÇO

Exposição “Chama o Bloco”
Abertura: 8 de fevereiro de 2020, de 16h às 20h
Período: de 8 de fevereiro a 10 de março de 2020
Horário: de quinta a sábado, de 12 às 19h | segunda a quarta-feira, com agendamento
Local: Bianca Boeckel Galeria – Rua Domingos Leme, 73, São Paulo/SP
Informações: (11) 2691-1190 | www.biancaboeckelgaleria.com

sábado, 1 de fevereiro de 2020

Convocatória Portfólio em Resumo #2

fevereiro 01, 2020 | por Resumo Fotográfico


Estão abertas as inscrições para a segunda edição da Convocatória Portfólio em Resumo, com objetivo de selecionar ensaios e portfólios que serão publicados no site Resumo Fotográfico. A participação é aberta a fotógrafos profissionais e amadores de qualquer nacionalidade.

Categorias

Na categoria Ensaio, os fotógrafos são convidados a enviar um projeto ou série de imagens que tenham relação entre elas, através de um conceito ou narrando uma história. A temática é livre. Cada projeto deve conter de 5 a 10 fotos com 1500px no lado maior e devem ser acompanhadas de currículo resumido e um breve texto descritivo sobre a série.

Na categoria Portfólio, os fotógrafos podem enviar uma série de imagens que não precisam estar relacionadas entre elas, porém, devem fazer parte do mesmo gênero (arquitetura, casamento, natureza, produtos, retratos, etc). Cada inscrição deve conter de 5 a 10 fotos com 1500px no lado maior e devem ser acompanhadas de um currículo resumido.

Inscrições

As inscrições podem ser realizadas até o dia 24 de maio de 2020, através de formulário online. Cada inscrição terá uma taxa no valor de R$ 10. O resultado será divulgado até o dia 1 de junho. Os ensaios e portfólios selecionados serão publicados no Resumo Fotográfico em português e em espanhol, além de serem publicados também no site Bored Panda.

Leia o regulamento.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Concurso de Fotografia da ExpoLondrina

janeiro 30, 2020 | por Resumo Fotográfico

O concurso tem como tema “O Agronegócio Brasileiro” | Foto: Matheus Cenali/Pexels

Estão abertas as inscrições para o primeiro Concurso de Fotografia da ExpoLondrina, promovido pela Sociedade Rural do Paraná em parceria com o Foto Clube de Londrina. A participação é aberta a fotógrafos brasileiros, profissionais e amadores, com mais de 18 anos.

As inscrições podem ser feitas até o dia 6 de março de 2020. Cada autor poderá inscrever até três fotografias com o tema “O Agronegócio Brasileiro”. As inscrições são gratuitas, porém, os participantes devem arcar com o valor da impressão das fotos.

13 fotografias serão selecionadas para exposição no período de 9 a 19 de abril e seus autores receberão Certificado de Menção Honrosa. Os autores das três melhores fotografias receberão premiação em dinheiro: R$ 2.000 para o primeiro lugar e R$ 1.000 para o segundo e terceiro.

Leia o regulamento.

sábado, 25 de janeiro de 2020

Universo Feminino – Singular e Plural 2020

janeiro 25, 2020 | por Resumo Fotográfico

“Bagagem”, de Elbio Gonçalves

Estão abertas, até 26 de fevereiro, as inscrições para a oitava edição do concurso de fotografia “Universo Feminino – Singular e Plural”, que visa estimular a reflexão sobre as questões de gênero na sociedade. O tema deste ano é “A Empatia Feminina, suas singularidades e pluralidades”.

Serão selecionadas 30 fotografias para compor uma exposição no mês de março, em espaços públicos do município de Camaçari, região metropolitana de Salvador. Como premiação, os três primeiros colocados receberão suas fotos impressas em fine art, processo que utiliza pigmentos e papeis de altíssima qualidade, além de certificados.

Os interessados devem realizar as inscrições exclusivamente via e-mail, através dos endereço singular_e_plural@globo.com, com cópia para clubedeartefotograficacamacari@gmail.com. As inscrições são efetivadas mediante colaboração através da campanha de financiamento coletivo no site Kickante, transferências bancárias ou via PayPal através do site do evento.

O regulamento com todas as informações está disponível no site do concurso. No site, também estão disponíveis a ficha de inscrição e os links para os catálogos das edições anteriores. O evento é uma realização do CAFC – Clube de Arte Fotográfica Camaçari, filiado a CONFOTO – Confederação Nacional de Fotografia.

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Fotografia Analógica: O que está acontecendo com o filme?

janeiro 21, 2020 | por Frederico Reis



Uma rejeição possivelmente advinda da supremacia tecnológica na fotografia da Era Digital talvez explique o HYPE do filme fotográfico. Sua atual fama com buscas do nome na internet, o aumento das vendas de câmeras analógicas e um novo tipo de fotografia (que já existia, #filmphotography) é grandemente derivado das suas associações e exposições nas redes sociais e o ressurgimento da experiência tátil com material fotográfico fotossensível. O filme, num certame comercial, não agrada a todos - principalmente os grandes nomes do mundo digital em um certo senso -, mas à empresa Kodak muito contenta essa nova “era analógica” da fotografia.

Eu gosto (muitos de nós fotógrafos gostamos), mas outros muitos nem sequer sabem como proceder com um rolo de filme. E como pode um processo nos dividir tanto e deixar tantas dúvidas a ponto de hoje nichos reais e cibernéticos cada vez mais fortes se formarem e fortalecerem a partir disso? Entram aí as mídias digitais, as redes e os produtores de conteúdo - os maiores colaboradores dos grandes produtores de filme, ou a Kodak, ou Fuji, entre outras. São muitos os que fotografam no mundo e os números aumentam tão exponencialmente quanto crescem também (ao menos por agora,) os que fotografam com filme. Qual, então, o motivo pelo qual, num mundo crescentemente digital, fica tão popular a fotografia analógica?

O filme parece mesmo estar em alta, mas na verdade não acredito nem que tenha deixado evidentemente de existir. Acontece desde a sua criação e subsequentemente em números apenas variados. O que se sucede é que mesmo com a internet nem tudo chega na hora e pra todo mundo. As imagens constituídas a partir das mídias sociais fazem a gente querer entender, olhar, experimentar, mas todos os processos analógicos são bem mais trabalhosos e demorados do que permite o timing do processo digital. A beleza, a paciência, o toque do processo indubitavelmente é o que traz pessoas mais próximas da produção fotográfica com sentido conceitual, sentimento e pessoas mais autênticas na fotografia em seu sentido prático-criativo, muito pelo trabalho técnico exigido. Entendo, ainda, esse HYPE do filme.



Há alguns anos dificilmente compraríamos uma câmera analógica; as pessoas estavam tentando se livrar delas. Algumas sortudas encontraram e encontram com parentes, amigos ou mesmo em lojas. E, de repente, altas nas vendas com relatos de preços mais altos devida à necessidade que superou o número de produtos que havia disponível . Ainda não entendo por completo, mas há pessoas vendendo câmeras analógicas e câmeras e filmes com preços em muitos contrastes.

Um novo mercado (ainda) tá aí: Câmeras analógicas antigas, renovadas, restauradas, gente que gosta e que sabe fazer isto e filmes sejam eles vencidos ou não. Inclusive o Youtube (plataforma com o maior número de canais, vídeos e qualquer coisa relacionada a fotografia analógica sob uma perspectiva audiovisual) cresce cada vez mais nesse sentido, com informações sobre filmes e câmeras, passeios e compras por thrift stores, lojas de antiguidades, experiências com e sobre filme, além de processos em c-41, preto e branco e até médios e grandes formatos. Inclusive, alguns dos canais que tratavam apenas da fotografia digital estão tentando espaço com a grande valorização do filme.

Ainda assim, tem gente querendo mais filme e mais câmeras. As gerações mais jovens, por exemplo, não tiveram essa oportuna experiência com o filme e parecem ser curiosas quanto ao processo. O que se torna uma boa mesmo pras empresa que começaram o desenvolvimento das câmeras digitais mas se perderam em nichos até não propriamente fotográficos não sendo capazes de se sustentar completamente com o filme.

A Kodak está produzindo agora mais do que 50% do que tinha como resultado cinco anos atrás com filmes fotográficos. A Fuji foi recentemente premiada por suas vendas com as câmeras e filmes instantâneos. Aos que gostam a notícia é contente e estes terão de agradecer às empresas produtoras de filme, que seguem produzindo mesmo em escalas reduzidas.

Os filmes são caros, lentos no sentido matemático do obturador, mas parecemos gostar, apesar da sustentabilidade não ser o ponto alto do filme. Será que ele continuará presente daqui há alguns anos? Precisariam as empresas continuar se readaptando? Vamos mesmo debater esse ponto? Não seria mais interessante a fotografia per se?



Mesmo dentro de uma significação geral da imagem, a fotografia e seu sentido mais íntimo, o da contemplação do tempo, da memória ultrapassa qualquer processo ou discussão sobre manipulação.

Em um mundo onde tudo parece passar tão mais rápido, o filme nos lembra de ir mais devagar, aproveitar os momentos e se for registrá-los, fazer isso um frame por vez.

E você, como vê o filme?

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Exposição fotográfica celebra os 474 anos da cidade de Santos

janeiro 20, 2020 | por Resumo Fotográfico

“Santos em verso e prosa”, exposição do fotógrafo Dennis Calçada, homenageia a cidade com suas poesias visuais


No mês que a cidade completa 474 anos, o público terá a oportunidade de conferir uma Santos que navega pelo histórico e moderno, e por um ângulo diferente e autoral. Assim é a narrativa da exposição “Santos em verso e prosa”, do fotógrafo santista Dennis Calçada. A mostra tem abertura nesta segunda-feira (20), no Pátio Iporanga, e fica em cartaz até 2 de fevereiro.

Certeza de um delicioso passeio com o olhar, pensamentos e reflexões pelas 40 fotografias em preto e branco que compõem a exposição, e que passam por cenas do cotidiano Zero Treze, arquitetura, pontos marcantes da cidade, esportes característicos praticados pelos santistas e detalhes que passam despercebidos em meio a correria diária.

“Santos é uma cidade muito fotográfica e de muitos encantos, por isso criei algo mais autoral para sair do clichê, e assim revelar momentos e lugares que às vezes, por vários motivos, não recebem nossa merecida atenção. Poesias visuais, digamos. Em dias cada vez mais carrancudos cada um tem o dever, a sua maneira, em deixar leveza onde mora e por onde passa, e a minha maneira de fazer isso é falando com as fotografias”, comenta Calçada.

Jornalista e formado em produção multimídia, o fotógrafo Dennis Calçada explica o por que da escolha pelo preto e branco. “O preto e branco ele vai mais direto ao ponto, diferente do colorido, que também gosto muito, mas em outras ocasiões, e evita distrações no olhar de quem está lendo a imagem”, explica.

A série começou a ser produzida em 2015. “O que você quer dizer com cada foto, a espera e busca por cenários com formas equilibradas como você deseja, a escolha do momento, da luz que seja ideal para o seu tipo de linguagem...Enfim, isso tudo leva tempo, e cada pequeno detalhe que somado a outro faz a diferença no resultado final. Tudo muito diferente de chegar e apenas apertar o botão. Por isso gosto da expressão muito além de um clique,” ressalta Calçada.

SERVIÇO

Exposição “Santos em verso e prosa”
Data: de 20 de janeiro a 2 de fevereiro de 2020
Horário: de segunda a sábado, de 10h às 22h, e aos domingos, de 12h às 21h
Local: Pátio Iporanga – Avenida Ana Costa, 465, Gonzaga
Informações: (13) 3286-1138