terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A natureza transformadora das fotografias de Diane Arbus


John P. Jacob viu pela primeira vez o trabalho de Diane Arbus em 1980, enquanto fazia uma aula de fotografia na faculdade para ajudá-lo em sua carreira de preservação arquitetônica. O efeito de suas imagens era tão poderoso que ele sonhou com elas durante todas as noites da semana seguinte. Ele então decidiu dedicar sua vida à fotografia, tornando-se curador de fotografia no Smithsonian American Art Museum.

Neil Selkirk era um jovem fotógrafo ajudando Richard Avedon em uma sessão de fotos da Anjelica Huston, quando ele encontrou pela primeira vez uma das imagens de Arbus na parede. Ele não tinha conhecimento dela na época, em 1969, mas ele estava “completamente devastado” pela imagem de três pessoas nuas e gordas em um campo.

As imagens da fotógrafa reuniram Jacob e Selkirk na produção de “Diane Arbus: A Box of Ten Photographs”, publicada recentemente pela Aperture e pelo Smithsonian American Art Museum para acompanhar uma exposição no museu. Jacob escreveu o ensaio para o livro e fez a curadoria da exposição, que vai até janeiro de 2019. Selkirk, que é a única pessoa a ter impresso os negativos de Arbus desde a sua morte em 1971, foi uma fonte para Jacob.


O livro recria a experiência do portfólio de edição limitada de “Diane Arbus: A Box of Ten Photographs”, que ela começou em 1969.

Alojados em um recipiente transparente de acrílico, os portfólios originais incluíam impressões em preto e branco de 16x20 polegadas, separadas por folhas de pergaminho com as descrições manuscritas da fotógrafa sobre suas obras. As fotos incluíam algumas de suas imagens mais conhecidas, como as gêmeas idênticas, o judeu gigante e um jovem em bobes. O portfólio era uma edição limitada de 50, mas ela havia publicado apenas oito e vendeu quatro antes de morrer. Selkirk imprimiu as edições restantes.

Embora Arbus esteja entre as fotógrafas mais famosas do século 20 e muitas de suas imagens sejam familiares, Jacob conta que seu trabalho ainda era difícil de encontrar. Não é porque suas temáticas incluíam pessoas nas margens da sociedade, mas porque nos aproximamos de suas obras sobrecarregados pelos detalhes de sua vida conturbada e pelo suicídio aos 48 anos de idade.


Em maio de 1971, ela se tornou a primeira fotógrafa a participar da prestigiosa revista "Art Forum". Philip Leider, editor da revista, não sabia se a fotografia merecia cobertura, mas quando viu o portfólio, decidiu publicá-lo e colocou a foto de Arbus em um chapéu de palha em um desfile pró-guerra na capa. Ela morreu dois meses depois.

“É difícil ver realmente o trabalho de Diane Arbus por causa de toda a bagagem que carregamos com ele. O projeto é sobre realmente olhar e reviver as imagens que conhecemos tão bem, mas que não conhecemos de alguma forma.”


Em 1972, seu trabalho foi apresentado na Bienal de Veneza e marcou Diane como a primeira fotógrafa americana a ter uma exibição no local. Isso levou Hilton Kramer a escrever no The New York Times que, dos seis americanos expostos, “é a falecida Diane Arbus, uma fotógrafa, que causou o maior impacto”. Ele continuou: "Suas extraordinárias imagens de esquisitices humanas, em sua combinação inesperada de franqueza, precisão e simpatia é ao mesmo tempo altamente dramática e fortemente tocante, e nada mais no cenário americano pode competir com elas.”

Para Jacob, a experiência de trabalhar com essa edição do portfólio de Arbus foi "como voltar para casa para algo que eu conhecia muito bem” e uma oportunidade para contar uma nova história sobre o portfólio.

“As fotografias não são menos impressionantes, emocionantes e chocantes do que a primeira vez que as vi. As fotografias ainda são documentos incrivelmente poderosos de um momento.”

Selkirk conheceu Arbus quando se mudou para Nova York para ajudar o fotógrafo Hiro. Ele estudou com Arbus e deu-lhe conselhos técnicos. Quando ela morreu, ele se ofereceu para ajudar sua família e foi contratado para imprimir os portfólios restantes, assim como a monografia póstuma do "Aperture" e sua retrospectiva no Museu de Arte Moderna em 1972, que consolidaram sua reputação.

Diane Arbus em um seminário da Escola de Design de Rhode Island em 1970 (Foto: Stephen A. Frank)

“Ela teve uma independência impressionante de todas as convenções e ignorava tudo o que a grande maioria dos fotógrafos considerava natural”, explicou ele.

Ao usar o contraste, ela "alegremente" suprimiu detalhes em fotos que a maioria dos fotógrafos se esforçou para mostrar, acrescentou.

Em mais de quatro décadas desde que Selkirk encontrou pela primeira vez o trabalho de Arbus, ele se tornou intimamente familiarizado com as imagens que forçaram as fronteiras da convenção social e forjaram um lugar para ela no mundo da arte.

“A coisa toda era sobre ela querer que você visse, para compartilhar sua experiência do momento e do significado do que ela testemunhou, e essa foi uma abordagem completamente diferente de qualquer outro fotógrafo que eu já conheci. Eles estão tentando fazer uma foto. Ela não dava a mínima para isso como ideia motivadora. Sua motivação era apresentar um documento de algo que ela tinha experimentado.”

Fonte: The New York Times

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2019 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil