sábado, 10 de junho de 2017

5 erros de configuração de câmera cometidos por iniciantes

Em artigo para a Digital Photography School, o fotógrafo James Maher reuniu os 5 erros mais comuns de configuração de câmera cometidos por iniciantes que devem ser evitados.


Com o passar dos anos, eu ensinei muitos fotógrafos iniciantes e observei como eles usavam suas câmeras. Eu notei alguns erros comuns que muitos deles cometiam. Enquanto há muito mais para aprender sobre fotografia, se você conseguir evitar ou consertar esses pontos sozinho, você vai perceber que suas fotografias serão muito mais nítidas e terão uma qualidade muito maior.

1. Não aumentar o ISO em quantidade suficiente


Era comumente ensinado que você sempre precisaria usar o ISO mais baixo possível nas câmeras digitais. Isso se dava porque as primeiras câmeras digitais tinham um ruído terrível com ISOs mais altos. Hoje em dia, isso mudou completamente. As câmeras digitais mais novas fotografam com qualidade incrível em ISO 800, 1600, 3200 e até 6400 em câmeras de maior qualidade. O ruído é muito menos perceptível do que costumava ser e tem uma aparência muito melhor.

Isso mudou a forma como podemos fotografar. Enquanto seu ISO deveria ser o mais baixo possível quando a câmera está montada num tripé, quando você está fotografando com a câmera em mãos você vai sempre querer subir seu ISSO bem alto. A menos que eu esteja intencionalmente fotografando com uma abertura grande tipo f/2.8, eu normalmente mantenho meu ISO em 400 na luz do sol, 800-1600 em sombras claras a escuras e 3200 e 6400 quando fotografando ao anoitecer e a noite sem tripé. Isso me permite usar uma velocidade de obturador maior pra compensar o tremor com a câmera ou o movimento dos sujeitos junto com uma profundidade de campo decente. Minhas fotos são muito mais nítidas por conta disso.

A menos que você esteja fotografando no manual, eu sugiro que você tire sua câmera do ISO automático. Você nunca vai querer deixar sua câmera escolher duas das três configurações (velocidade, abertura e ISO) porque isso vai bagunçar as suas fotos grande parte das vezes. A câmera deve apenas escolher umas dessas três configurações pra melhor uso.

2. Usar uma velocidade de obturador muito baixa


Para compensar o tremido de segurar a câmera com as mãos, a velocidade do obturador precisa ser sempre igual a distância focal da sua lente. Então, se você estiver fotografando com uma lente 50 mm, sua câmera vai precisar estar em 1/50 (ou mais rápido) pra ter certeza de que a imagem seja nítida. Isso vale ainda mais com lentes zoom porque uma lente 300 mm vai precisar de uma velocidade de 1/300 para que a imagem não saia borrada. Isso acontece porque pequenas vibrações são muito mais notáveis quando você amplia uma área pequena a distancia. Por isso eu sempre subo meu ISO enquanto estou enquadrando a longas distancias.

Para sujeitos em movimento, você vai precisar de uma velocidade que seja rápida o suficiente para congelá-los. Eu prefiro um mínimo de 1/250 para congelar pessoas andando. Você vai precisar de uma velocidade ainda maior se for fotografar assuntos como carros.

3. Não usar compensação de exposição (+/-) ou a medição correta


Se você estiver usando prioridade de abertura ou de velocidade, a compensação de exposição é a sua melhor amiga particularmente em cenas com uma luz mais complicada. O leitor de luz da sua câmera não é criativo – ele vai sempre querer fazer com que tudo pareça um cinza médio, mas isso é problemático em imagens com muitos tons claros ou escuros. Talvez você queira que esses tons pareçam cinza por propósitos criativos, mas, na maioria das vezes, você vai querer que eles sejam fiéis ás cenas. É aí que entra a compensação de exposição.

Por exemplo, em cenas com neve muito clara ou céu muito claro, isso pode confundir a câmera e fazê-la pensar que precisa subexpor a imagem para fazer as partes brancas ficarem cinza. Ou se você estiver fotografando a noite, ou num beco escuro a câmera vai tentar fazer com que os tons escuros se pareçam com um cinza mais claro clareando demais a imagem. Problemas similares podem aparecer quando fotografando em áreas com ambas áreas de realce claras e sombras escuras ou se o sujeito está sendo iluminado por trás.

De forma similar, muitos fotógrafos mantém suas câmeras no modo de medição incorreto. Existem três principais modos de medição: geral, central e pontual. O geral vai expor para toda a cena, o central vai expor baseado no ponto de foco que você usar e numa área mais aberta próxima disso e a medição pontual vai medir a luz baseada no único ponto para o qual você aponta. Eu pessoalmente acho o geral muito amplo e o pontual muito especifico então uso majoritariamente o modo de medição central.

4. Não conseguir acertar o ponto de foco


Alguns fotógrafos deixam o foco completamente por conta da câmera. Essa idéia é terrível já que a câmera vai sempre focar no ponto errado, estragando a sua foto. Você precisa estar no controle do foco e colocá-lo na parte mais importante da sua foto.

Da mesma forma, é comum fotógrafos pegarem aquela lente 50 mm f/1.8 ou f/1.4 e imediatamente pensar que eles precisam fotografar tudo em f/1.4 apenas porque eles podem. Algumas situações serão apropriadas para essa abertura, mas é importante perceber o quão rasa é a profundidade de campo nessa abertura.

Se você estiver fotografando com uma abertura rasa, o foco precisa estar perfeito e exato no assunto mais importante da foto. Se você estiver fotografando uma pessoa e focar na orelha dela ou no nariz ao invés dos olhos, o desfoque vai ser notável e vai acabar com a sua foto. Frequentemente eu prefiro fotografar retratos assim em f/4 ao invés de f/1.8 ou f/2.8. Ainda tem um fundo desfocado e ainda mais da pessoa em foco. Isso minimiza qualquer erro de foco também.

5. Usar a estabilização de imagem enquanto usa um tripé


O estabilizador de imagem na sua lente ou câmera vai deixar as suas fotos mais nítidas quando você estiver apoiando com as mãos. Entretanto, isso pode também criar minúsculas vibrações enquanto mantém a câmera mais estável, e essas vibrações podem causar problemas se você estiver usando tripé. As vezes elas vão introduzir aquele efeito borrado. Então lembre-se de sempre desligar a estabilização de imagem enquanto estiver usando um tripé. Se você notar que as suas imagens com tripé estão meio borradas, os mais prováveis culpados são a estabilização e o vento.

Fonte: Digital Photography School | Tradução: Frederico Reis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2017 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil