terça-feira, 7 de abril de 2015

Fotógrafo revela o trabalho dos mineiros de enxofre em Java


Localizada a 2.799 metros acima do nível do mar, Gunung Ijen, no leste de Java, na Indonésia é uma maravilha vulcânica que atraí centenas de turistas diariamente. Durante o dia, eles sobem a montanha para chegar à Kawah Ijen, lago da cratera do vulcão famoso por sua tonalidade turquesa. Quando a chega a escuridão, os caminhantes testemunham o fogo líquido azul brilhante que flui a partir da cratera pelas encostas das montanhas. Não é lava, mas o enxofre pelo qual Kawah Ijen é reconhecida.

É também o enxofre que leva centenas de mineiros para Kawah Ijen todos os dias. Eles fazem a uma perigosa escalada até o cume e, em seguida, para dentro da cratera. Os mineiros descem ao ventre do vulcão, desafiando o calor escaldante e ar rarefeito, em busca do precioso material que é usado para a fabricação de inúmeros produtos - de fósforos, borracha, inseticidas e fertilizantes para cosméticos, baterias, o açúcar e filme.

O fotógrafo romano Luca Catalano Gonzaga viajou para a Indonésia no final do ano passado e passou 10 dias registrando o trabalho diário dos mineiros. Muitas das fotos foram tiradas depois de escurecer, como muitos homens preferem trabalhar quando o calor é mais tolerável.

O título do projeto, "Ouro do Diabo", faz uma alusão bíblica ao inferno como o lago de fogo que arde com enxofre. A mineração de enxofre em Kawah Ijen é certamente um trabalho infernal. Todos os dias, cerca de 300 homens deixam o acampamento base transportando o equipamento tradicional como tochas e postes de metal para quebrar as placas de enxofre, embora com pouco equipamento de proteção. Somente alguns homens usam máscaras de gás, enquanto o resto conta com lenços molhados ou panos para cobrir suas bocas, em uma tentativa em grande parte inútil de se proteger do gás cáustico que chamusca os olhos, garganta e pulmões, e pode até mesmo dissolver os dentes.

Esse trabalho fisicamente exigente e perigoso faz com que a expectativa de vida dos mineiros mal chegue a 50 anos. Mais de 70 pessoas morreram em acidentes de trabalho em Kawah Ijen nas últimas quatro décadas, muitos devido aos fumos tóxicos que ondulam de repente de fissuras da rocha.

"O ouro do Diabo" é parte de um projeto mais amplo chamado Pessoas Invisíveis, que é financiado pela Fundação Nando Peretti.












Fonte: Time

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2016 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil