terça-feira, 8 de março de 2016

As mulheres na linha de frente da fotografia documental

Estas são as fotojornalistas que lutam para mostrar o mundo como ele realmente é

Francesca Tosarelli


Assim como a maioria das profissões tradicionalmente consideradas como masculinas, as mulheres muitas vezes têm sido deixadas de fora da história da fotografia documental, especialmente quando elas optam por reportar guerras e conflitos. Apesar disso, há muitas mulheres que colocam os riscos de lado para irem para à linha de frente e noticiarem algumas das questões mais urgentes do mundo.

Este ano, a fotógrafa e videoartista franco-marroquina, Leila Alaoui, foi morta tragicamente durante a gravação de um trabalho sobre o tema dos direitos das mulheres para a Anistia Internacional em Burkina Faso. Devido a sua educação multi-cultural - ela viveu e foi educada no Marrocos, França e Estados Unidos - ela se dedicou a documentar histórias que se relacionassem à compreensão de diferentes identidades culturais, e, após os recentes ataques em Paris, queria mostrar ao mundo que havia mais cultura árabe que o Estado islâmico. Como um tributo a ela, nós queríamos destacar o trabalho de algumas fotojornalistas cujas habilidades narrativas fizeram-lhes líderes em seu campo.

Arati Kumar-Rao

Sediada no sul da Ásia, Arati Kumar-Rao tem dedicado sua vida à fotografia ambiental. Enquanto suas reluzentes paisagens e mares delicadamente brilhantes são impressionantes, o projeto mais interessante é seu trabalho sobre os refugiados ambientais. De acordo com a fotógrafa, "A degradação ambiental está cometendo uma violência lenta para os grupos mais vulneráveis ​​da sociedade, empurrando-os mais em dívida e forçando algumas pessoas a migrar para as cidades onde existem estruturas de apoio básicos como escolas, cuidados de saúde acessíveis e água limpa... trazendo a nós uma noção diferente sobre crise de refugiados” "Muitos de nós estamos acostumados a ouvir a palavra refugiado como uma maneira de descrever pessoas deslocadas pela guerra, mas o trabalho de Kumar-Rao segue aqueles forçados a se mudar devido à maneira pela qual tratamos nosso planeta. Através de sua lente, vemos histórias sobre como o rio Ganges começou a comer lentamente as margens durante a noite, ameaçando engolir as pessoas e as casas que o rodeiam.

Sua decisão de documentar o lado humano da mudança climática e os problemas ambientais é poderosa. Muito frequentemente nós ouvimos sobre ativistas ambientais lamentando que a maioria de nós não se preocupa com o estado do planeta. Embora isto possa ser uma perspectiva pessimista, a nossa atitude blasé pode vir do fato de as pessoas geralmente se preocupam com os problemas quando elas têm podem se relacionar com um rosto humano, fato que torna o trabalho de Kumar-Rao ainda mais importante.

Arati Kumar-Rao

Lynsey Addario

Para Addario, seu trabalho é bastante evidente a chama que incendeia sua vida. Depois de ter sido mantida em cativeiro pelo exército líbio em 2011 ela também assumiu a tarefa da maternidade, ainda assim, continua a fotografar alguns dos lugares mais perigosos do mundo. Sua tenacidade e dedicação levaram-na a receber prêmios de prestígio, como o MacArthur Fellowship e o Prêmio Pulitzer de Reportagem Internacional.

Embora Addario seja uma das mais célebres no campo do fotojornalismo, sua nova biografia, “Isso é o que eu faço: amor e guerra na vida de um fotógrafo” é uma leitura perspicaz. Por dentro é um relato bruto da paixão pela fotografia, mas também é sobre os obstáculos específicos que mulheres em uma zona de guerra terão de enfrentar. Por muito tempo, houve uma cultura de silêncio em torno de agressão sexual e gravidez, uma vez que estas eram duas facetas da feminilidade que fizeram sociedade enxergar as mulheres como mais fracas ou passivas. Consequentemente, a sua escolha para compartilhar pensamentos íntimos em torno desses temas atua como um serviço para as mulheres que querem apresentar um relato sobre o conflito. Sua história não só desmascara o mito de que as mulheres grávidas são inúteis e profissionalmente irrelevantes, como releva que a feminilidade pode ser um disfarce de invisibilidade, e fornecer acesso às histórias que os homens não seriam capazes de relatar - um exemplo disso é o seu foco sobre as histórias de mulheres que sobreviveram à violência baseada em gênero no Congo.

Lynsey Addario

Francesca Tosarelli

Ms Kalashnikov, o título de uma criação do documentário da fotógrafa Francesca Tosarelli, segue a jornada de rebeldia feminina através das zonas de guerra. No entanto, a forma e a densidade do trabalho são tão emocionantes e ousadas como própria criadora. Ms Kalashnikov não pode ser contido em uma forma e por isso tem sido desenvolvido em uma experiência multi-plataforma. Inicialmente, o projeto começou como um ensaio fotográfico. Em 2013, Tosarelli se jogou na selva congolesa para fotografar as combatentes rebeldes do sexo feminino, mas depois de um longo período vivendo com estas mulheres, em suas próprias palavras, "comecei a perguntar-me: se eu estivesse na posição delas, diante de suas escolhas, poderia eu, talvez, trocar minha câmera por uma Kalashnikov (arma) também? "

Dados os questionamentos, Tosarelli deseja provocar discussões, ela então, muda seu trabalho para além da fotografia documental tradicional e começa a desenvolver uma experiência de realidade virtual. Com isso, ela espera gerar uma conversa sobre o potencial de guerra para proporcionar um espaço para a mudança de identidades e papéis tradicionais. O projeto especialmente procura enfatizar que a resistência ativa não é exclusivamente masculina. Seu trabalho também está sendo desenvolvido em uma novela biográfica com co-autoria de Wu Ming 5.

Francesca Tosarelli

Andrea Bruce

Depois de consolidar um nome através de seu trabalho no Iraque e no Afeganistão, Andrea Bruce é vista como uma das líderes fotojornalistas. Em 2015, ela viajou para a Roménia para relatar sobre o tráfico sexual de seres humanos e de meninas jovens, em torno da idade de 14 anos, enviadas para o regime sexual escravista na Europa. Nesta série, chamada de “Romenas desaparecidas”, há uma sensação de intimidade criada pela relação de respeito e confiança entre fotógrafa e fotografadas.

Através de seu trabalho, Bruce procura destacar as experiências de pessoas que vivem no rescaldo da guerra. Além de ter sido nomeada fotógrafa do ano quatro vezes, ela é o coproprietária e membro “NOOR images”, agência fotográfica mundialmente famosa. Desde a sua criação, em 2007, a agência NOOR tem procurado produzir relatórios visuais independentes que têm a capacidade de provocar mudanças e discussão em torno de questões de justiça social. Apesar de suas obras possuírem uma gama impressionante, elas compartilham um fator em comum: um olhar sobre o momento do impacto emocional, seja a tristeza sufocante de uma perda ou as vitórias “agridoce” de uma revolução, o poder de Bruce como fotógrafa vem da união de sua incrível habilidade e capacidade de ler - e prever - expressões humanas.

Andrea Bruce

Tanya Habjouqa

Fotógrafa nascida na Jordânia, Tanya Habjouqa, gosta do absurdo. Fora de contexto, absurdo pode parecer um tema bastante abstrato para um fotógrafo perseguir, mas dado que Habjouqa frequenta o Oriente Médio, seu fascínio com a doce estranheza da vida torna-se uma visão única. Ao contrário de alguns de seus contemporâneos, ela mostra o lado bem humorado das pessoas desta região, através de imagens de mulheres em poses de yoga surreais com a Cisjordânia de fundo. Como consequência, seus súditos não são definidos pelo conflito acontecendo ao seu redor e, por sua vez, seu espectador vê um lado de um país que não é normalmente destacado pela grande mídia. Na verdade, esta abordagem única foi reconhecida quando ela ganhou um prêmio World Press Photo para seu livro “Occupied Pleasures”.

Além disso, ela também é um membro fundador do Coletivo Rawiya Foto. O nome, Rawiya, significa literalmente 'ela quem conta uma história' e é o primeiro coletivo fotográfico totalmente feminino do Oriente Médio. Além de Habjouqa, existem três outras mulheres, todas de diferentes países, que bse reúnem a fim de apoiar as mulheres do oriente médio, leva-las até as câmeras e relatar histórias que lhes interessam.

Tanya Habjouqa

Fonte: Dazed

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COMUNICAR ERRO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2010-2016 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil