sexta-feira, 22 de julho de 2016

Getty Images vai cobrir os Jogos Olímpicos no Rio

Al Belo/Getty Images

A Getty Images anunciou na quinta-feira (21) que vai capturar as imagens dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro com uma série de fotógrafos premiados e especializados em esportes, usando tecnologia inovadora que irá transformar a forma de as pessoas vivenciarem a competição.

A empresa contará com uma equipe de mais de 120 pessoas, que registrará mais de 1,5 milhão de imagens no Rio de Janeiro, das quais cerca de 85 mil serão distribuídas em todo o mundo.

Serão utilizados cerca de 100 km de cabos de fibra ótica de última geração, que irão ligar os fotógrafos, que estarão espalhados por 32 locais, aos editores no centro de imprensa olímpico. Isso vai permitir que uma imagem seja transferida para o site www.gettyimages.com em menos de 120 segundos.

Além de um especialista em gigapixel fotografando os locais-chave e os momentos importantes em panorâmicas de 360 graus, todos os fotógrafos da Getty Images estarão equipados com câmeras 360º, o que transportará os espectadores para o centro da ação olímpica. Câmeras-robôs aéreas e subaquáticas vão fazer a cobertura diária de dez pontos de provas de atletismo, ginástica e esportes aquáticos.

“Prevemos que 2016 terá os Jogos Olímpicos mais visuais até o momento, já que trazemos nossa excelência fotográfica para captar a beleza do Rio e da intensidade e emoção deste evento esportivo de classe mundial. A perspectiva original dos nossos fotógrafos nos esportes, adquirida por meio de anos de experiência especializada, vai garantir que a Getty Images capte os melhores e mais originais momentos Olímpicos enquanto eles acontecem”, afirma Ken Mainardis, Vice-Presidente de esportes e serviços da Getty Images.

Como complemento à sua cobertura ao vivo dos Jogos Olímpicos, o Hulton Archive da Getty Images oferece uma das maiores coleções de imagens olímpicas do mundo. Este arquivo olímpico tem imagens que remontam mais de 100 anos de história até os Jogos Olímpicos de 1896, em Atenas. Mais de um século de imagens icônicas das Olimpíadas e Paralimpíadas podem ser visualizadas no site www.gettyimages.com/olympics .

Para explorar e compartilhar as melhores imagens das Olimpíadas feitas pela Getty Images visite o site www.gettyimages.com/olympics.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Mostra fotográfica inaugura nova galeria no Rio de Janeiro

A exposição “Todo mundo é de todo mundo,” propõe uma troca de lugares entre os nove artistas, no qual cada um assume o papel do outro por trás das lentes.
Nova galeria no Rio abre as portas com trabalhos inéditos de Walter Carvalho, Ana Carolina Fernandes, Anna Kahn, Ana Dalloz, Fábio Seixo, Kitty Paranaguá, Marco Antônio Portela, Paulo Marcos M. Lima e Thiago Barros (Divulgação)

No próximo dia 23 de julho, sábado, será inaugurada a Galeria Oriente. Ambientada no endereço onde funciona o Ateliê Oriente, conhecido por ser um espaço que sempre promoveu e estimulou a criação fotográfica, a nova Galeria de Arte do Rio de Janeiro será um lugar para expor trabalhos que tenham a fotografia como seu principal suporte.

Além dos cinco sócios da casa, Ana Dalloz, Kitty Paranaguá, Marco Antônio Portela, Paulo Marcos M. Lima e Thiago Barros, foram convidados a integrar o quadro fixo da galeria os fotógrafos Ana Carolina Fernandes, Anna Kahn, Fábio Seixo, e Walter Carvalho. Indo da fotografia documental à arte contemporânea, a Galeria Oriente pretende expor as diferentes expressões fotográficas e ainda abrir espaço para novos talentos.

A exposição que marca a abertura da galeria será a “Todo mundo é de todo mundo”, um trabalho que propõe uma troca de lugares entre os nove artistas, no qual cada um assume o papel do outro por trás das lentes. Cada um deles produziu um trabalho como se fosse um dos outros. Mais do que uma brincadeira, é uma homenagem entre si inspirada no trabalho “Ninguém é de ninguém,” de Rogério Reis, fruto da investigação do artista de como a relação dos fotógrafos com os fotografados no espaço público mudou nas duas últimas décadas. Amigo e vizinho no prédio da rua do Russel, onde mantém seu estúdio, Rogério mostra no anexo 1 da Galeria uma foto desta conhecida série durante o mesmo período. O texto curatorial da exposição é de Diógenes Moura.

“Felix Nadar abriu as portas de seu estúdio/galeria em 1874 para os pintores impressionistas como Monet, Cezanne, Pizarro, Degas entre outros exporem seus trabalhos. Um gesto nobre que marcou a história da arte. Allen Ginsberg fez a famosa leitura do seu poema Howl em 1955 na Galeria Six em São Francisco e mudou a cara da cultura no mundo inteiro. Em outros pontos do universo das artes algumas galerias, livrarias e até restaurantes como o La Coupole em Paris, como o Café de Flore onde intelectuais como Jean-Paul Sartre, Albert Camus, Pablo Picasso se encontravam para falar de filosofia e arte. Lugares de encontros e de movimentos artísticos icônicos da história. A Galeria Oriente é lugar de encontrar, de expor, lugar de espiar, um lugar para se conspirar pela fotografia. A galeria é um ponto de confluência que aponta para um viés promissor, diz entusiasmado Walter Carvalho, um dos representados da nova galeria, que terá o trio Ana Luiza “Luli” Prudente, Adriana Braga e Mônica Angeleas à frente do negócio.

Kitty Paranaguá

Ana Carolina Fernandes

SERVIÇO

Exposição “Todo mundo é de todo mundo”
Abertura: 23 de julho (sábado), de 16h às 20h
Exibição: de 24 de julho a 13 de agosto
Horário: de segunda à sexta das 14h às 20h e sábado das 10h às 12h ou agendamento
Local: Galeria Oriente – Rua do Russel 300/ 401 – Glória
Informações: (21) 34 95 38 00 | contato@atelieoriente.com

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Estilista holandês cria lenço antipaparazzi


O estilista holandês Saif Siddiqui desenvolveu um lenço que está fazendo sucesso entre as celebridades que querem preservar a sua privacidade dos famigerados paparazzi. Isso porque o acessório foi criado com uma tecnologia que reflete luz do flash e escurece os rostos dos usuário nas fotos. Com o nome de "Ishu", o acessório é feito de um tecido refletivo que enfatiza o flash da câmera, tornando tudo em volta muito mais escuro.

O material reflexivo foi inspirado em refletores de segurança comuns, usados em carros, bicicletas e coletes funcionas. O conceito surgiu em 2009, quando Siddiqui tirou uma foto de amigos e observou que os refletores de uma bicicleta próxima refletiram o flash e ofuscaram o rosto deles na imagem final. O próximo passo foi desenvolver uma peça que fosse bonita, maleável e mesmo assim capaz de gerar o efeito reflexivo.

O preço final do acessório é 300 libras (cerca de 1.250 Reais).






Como funciona

Quando o fotógrafo utiliza o seu flash em modo automático, o sistema TTL emite um pré-flash para fazer a medição de luminância baseada no retorno da luz e assim determinar a potência do disparo. Quando o isso acontece, o lenço reflete uma grande parte dassa luz, enganando o sistema, que vai entender que há muita luz. Portanto, o flash vai emitir uma carga em potência muito baixa, deixando todo o resto da cena muito escura.

Com a evolução dos sensores fotográficos hipersensíveis no entanto, é possível que os paparazzi apenas troquem o flash por um ajuste de ISO mais adequado.


Postagens por categoria

 
Copyright © 2010-2016 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil