quinta-feira, 22 de junho de 2017

Eugene Richards, um mestre em fotografia política

O Museu George Eastman, em Rochester, Estados Unidos, é o primeiro museu a dedicar uma retrospectiva ao fotógrafo norte-americano.
Final treatment, Boston, Massachusetts, 1979

O fotógrafo Eugene Richards é amplamente respeitado e reconhecido internacionalmente pela integridade e poder de seu trabalho, o qual é profundamente dedicado aos problemas sociais e econômicos. Nas últimas décadas, ele explorou assuntos complicados, como o racismo, a pobreza, a medicina de emergência, o vício em drogas, o câncer, a família americana, o envelhecimento, os efeitos da guerra e do terrorismo e o despovoamento da América rural. The Run-On of Time, uma exposição co-organizada pelo Museu George Eastman e o Museu de Arte Nelson-Atkins, explora a carreira de Richards como fotojornalista e documentalista desde 1968 até o presente. A mostra, primeira retrospectiva museológica dedicada ao seu trabalho, segue em cartaz no Museu Eastman até 22 de outubro.

Até agora, o trabalho de Richards foi conhecido principalmente por meio de notícias internacionais e meios de comunicação, para os quais ele criou imagens em pauta, ou através de livros, onde ele aprofunda seus assuntos usando suas fotografias e textos em primeira pessoa. Através de 146 fotografias e trabalhos de imagem em movimento selecionados, esta exposição fornece uma compreensão mais completa da carreira de Richards, demonstrando como sua visão artística pessoal se baseia nos legados de W. Eugene Smith e Robert Frank para abordar as questões sociais salientes de nosso tempo.

Nascido em Dorchester, Massachusetts, Richards começou a fotografar seriamente enquanto assistia as aulas de Minor White no Massachusetts Institute of Technology, depois de se formar na faculdade. Durante a Guerra do Vietnã, Richards ingressou na VISTA (Voluntários em Serviço para a América), trabalhando como defensor dos cuidados de saúde no leste do Arkansas. Mais tarde, ele co-fundou uma organização que publicou o jornal Many Voices, dedicado a informar as comunidades negras de seus direitos como eleitores e cidadãos. Profundamente afetado física e emocionalmente pela pobreza e violência racial que ele testemunhou, Richards encontrou um propósito para sua fotografia. As fotografias que ele criou no Arkansas durante esse período resultaram na publicação de sua primeira monografia, Few Comforts or Surprises: The Arkansas Delta (1973).

Esta exposição apresenta fotografias de todos os principais corpos de trabalho de Richards. Suas fotografias falam sobre os aspectos mais profundos da experiência humana: nascimento, morte e os efeitos de moagem da pobreza sistêmica. Seu estilo é ainda mais persistente e poético, e suas fotografias estão profundamente enraizadas na textura da experiência vivida. Através de suas fotografias, escritas e obras de imagem em movimento, Richards enfrenta assuntos desafiantes com uma honestidade apaixonada que pode ser simultaneamente polêmica, lírica, linda e melancólica. Em última análise, as fotografias de Richards iluminam aspectos da sociedade americana que, de outra forma, poderiam permanecer escondidos à vista.

“Crack Annie”, Brooklyn, New York, 1988

Dustin Hill with his daughter, Mineral, Illinois, 2008

Grandmother, Brooklyn, New York, 1993

Mariella, Brooklyn, New York, 1992

Exhausted nurse, Denver, Colorado, 1982

The old ward, Psychiatric Hospital, Asunción, Paraguay, 2005

U.S. Marine, Hughes, Arkansas, 1970

Fonte: L’Œil de la Photographie

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Zeiss lança lente Milvus 35mm para Canon e Nikon


A Zeiss anunciou hoje o lançamento da Milvus 1.4/35, lente 35mm para câmeras DSLR full frame da Canon e da Nikon. Com uma distância focal de 35 milímetros, abertura máxima de f/1.4 e um copo metálico robusto e resistente à poeira e à água, a nova lente é adequada tanto para retrato quanto para paisagem. A fabricante promete ainda uma objetiva livre de aberrações cromáticas.

A Zeiss Milvus 1.4/35 chega ao mercado a partir do próximo mês, por 1.999 euros.

via iPhoto

terça-feira, 20 de junho de 2017

Gitzo celebra 100 anos com tripés de edição limitada

Gitzo 100 Year Anniversary Edition

Há 100 anos, em 1917, Arsène Gitzhoven fundava na França a tradicional empresa de tripés e acessórios fotográficos Gitzo. Para celebrar um século de fundação, a marca está lançando dois tripés de edição limitada.

O tripé do centenário terá um aspecto único, mas será construído em torno da já conhecida série Traveler, com tubulação de carbono, dobra de pernas de 180 graus e mecanismo de bloqueio G-lock. Apenas 1917 deles serão vendidos, pelo preço de US$ 1500.

Já o seleto Arsène Gitzhoven Traveler terá apenas 100 unidades. Cada um será gravado a laser com seu número de produção de 1/100 a 100/100, bem como uma gravação da assinatura do proprietário. Cada um deles será vendido por US$ 3000.


Veja mais em: www.manfrotto.us/gitzo/100y-anniversary

Postagens por categoria


 
Copyright © 2010-2017 Resumo Fotográfico. Termos de uso.
Belo Horizonte, MG - Brasil